domingo, 17 de julho de 2011

O Trabalho Voluntário dos Terapeutas Florais - Região Serrana

Assim que se recuperaram do susto causado pelo deslizamento de terras na região Serrana do Rio de Janeiro, um grupo de Terapeutas Florais residentes em Petrópolis, lideradas pela terapeuta Vera Gondim se ofereceu como voluntário para o atendimento emergencial  das vítimas dessa calamidade. Também em Friburgo e Teresópolis alguns terapeutas se mobilizaram para levar através da Terapia Floral, o conforto possível diante do tamanho da tragédia que ocorreu nessa região.
Durante vários dias trabalharam incansavelmente, recebendo auxílio material de outros terapeutas de outros municípios, Estados e até de terapeutas residentes fora dos Brasil.
Durante esse período, de esforço intenso de trabalho por parte desses voluntários, algumas surpresas foram ocorrendo:.
- Nos carros das equipes de socorro sempre era requisitada a presença de um Terapeuta Floral;
- Uma sala foi designada para que houvesse atendimento floral no Posto de Saúde;

  Esses são e-mails  enviados por Vera Gondim à Rioflor - Associação dos Terapeutas Florais do Rio de Janeiro e que nos mostra a dimensão do trabalho desses terapeutas voluntários:

Queridos Amigos dessa Linda REDE DE LUZ:
É com muita alegria e gratidão que encaminho a vocês, em meu nome e em nome de todo o grupo, o boletim da Flower Essences Society da Califórnia, com uma matéria enorme e fotos sobre o nosso trabalho aqui em Petrópolis.
 Isso é resultado de todo um trabalho conjunto, não só do nosso grupo de terapeutas voluntários aqui (a linha de frente) mas também de vocês (a retaguarda), que nos dão o suporte, em todos os sentidos, para que possamos continuar a desempenhar essa tão nobre tarefa de levar a bênção das flores às pessoas tão duramente atingidas pela tragédia.
 Quero aqui ressaltar aqui a importância do imenso apoio que recebemos - a nível institucional e como pessoa humana maravilhosa que é -  da Coordenadora de Saúde Mental da Secretaria de Saúde de Petrópolis, Maria Célia Machado, que nos abriu as portas, não só da Secretaria de Saúde mas também de seu valoroso coração, nos dando a chance de demostrar como a Terapia Floral pode ajudar nesse momento importante de transição por que passa a humanidade. A ela nossa mais profunda gratidão.
 O reconhecimento por nosso trabalho, agora internacional, é de toda a Terapia Floral, como instrumento de mudança de paradigmas e padrões de consciência, numa época em que estamos sendo chamados coletivamente a rever modelos, crenças e atitudes ! Que nossos governantes, a exemplo da Maria Célia Machado e da Deputada Inês Pandeló (que apresentou o projeto de Lei inserindo a Terapia Floral dentro do SUS, no Rio de Janeiro), sejam iluminados e saibam enxergar na Terapia Floral um recurso valioso para que possamos ter um Brasil mais saudável, em todos os sentidos.
 Nossa mais profunda gratidão a todos os que estão nos incentivando e ajudando, de alguma forma, a realizar esse trabalho.
Que o Plano Espiritual continue nos enviando ventos favoráveis e a inspiração necessária para levarmos adiante essa nobre tarefa.
Com amor e carinho,
                                               
                                        Vera Gondim

International Research Journal Online • Winter-Early Spring 2011
Flower Essence Therapists Play Vital Role
in Emergency Relief Following Floods in Brazil
This is a report written by Vera Gondim, a flower essence practitioner and teacher in Brazil. After the devastating and disastrous floods in the country, she and an already well-organized social service group of flower essence practitioners went to deliver flower essence therapy to those in need of emotional support. Read the report here.

O e-mail a seguir descreve a reunião ocorrida em Friburgo com  representantes dos municípios atingidos, do Estado e da União:

Em 9 de fevereiro de 2011 08:36, Vera Gondim <veragondim73@yahoo.com.br> escreveu:

 
 Queridos Amigos e Parceiros dessa maravilhosa REDE DE LUZ: 
Ontem cedo tivemos uma importante reunião em Friburgo, com a representação dos municípios atingidos, do Estado e da União. Recebemos esse convite em função dos depoimentos da Coordenadora do Programa de Saúde Mental de Petrópolis, Maria Célia Machado, na última reunião, em que expôs que a situação de Petrópolis é muito tranquila graças à atuação de uma equipe de Terapeutas Florais Voluntários que está fazendo um eficiente trabalho de atendimento às vítimas.
Éramos ao todo sete terapeutas de Petrópolis, uma de Areal (um dos municípios a que estamos dando apoio), cinco terapeutas do Rio (representantes da Rioflor, do Conaflor, e da UFRJ) e uma de Friburgo.  
Nossa coordenadora de Saúde Mental da Prefeitura de Petrópolis fez uma explanação do que está acontecendo no município e como a Terapia Floral está sendo importante no atendimento às vítimas, através do trabalho organizado e eficiente da equipe de Terapeutas Florais Voluntários  que se criou.
Em seguida, a Rosângela Teixeira, presidente da Rioflor, falou sobre a Terapia Floral e sobre a ajuda e o apoio que esse trabalho vem recebendo da Rioflor, dos pesquisadores nacionais e internacionais e dos terapeutas e simpatizantes de todo o Brasil.
Depois, a Jurema Gouvea falou estar representando também a UFRJ e a Lizete de Paula falou como representante do Conaflor, lembrando a aprovação da Lei Estadual em que a Terapia Floral está inserida.
Em seguida, em nome do grupo de Terapeutas Florais Voluntários de Petrópolis, fiz uma explanação mostrando inicialmente que a Terapia Floral se encontra muito bem estruturada no Brasil: temos entidades representativas da classe a nível nacional, estadual e municipal. Coloquei que a Terapia Floral está nas Universidades (IBEHE e USP, em S. Paulo, e UERJ inicialmente, depois UFRJ, no Rio), estando inclusive inserida no Curso de Graduação em Enfermagem da USP. Está também inserida no SUS como Terapia Complementar, através de Lei Estadual, apresentada pela deputada estadual Inês Pandeló (Lizete distribuiu a cópia do Diário Oficial).
Expliquei que a calamidade em Petrópolis encontrou a Terapia Floral perfeitamente estruturada e ativa, com toda uma infra-estrutura de serviço voluntário montada e funcionando, realizando atendimentos sociais desde 1993, tendo feito nos últimos anos 7.463 atendimentos. É um serviço inteiramente auto-sustentável, que se utiliza exclusivamente da mão de obra de terapeutas florais voluntários. Este serviço se mantém através de doações que viabilizam o preparo dos florais para os atendidos. Há mais de uma década existe uma parceria informal entre a Prefeitura e esse serviço, com o encaminhamento dos alunos da rede pública de ensino para tratamento com a Terapia Floral no Núcleo de Atendimento Popular, que funciona há 10 anos em espaço cedido pela Ordem Franciscana de Petrópolis no Ambulatório da Pastoral da Saúde.
A existência dessa rede de serviço social operando há 18 anos viabilizou a rápida mobilização dos terapeutas para o atendimento imediato das vítimas da catástrofe que aconteceu na região serrana há 28 dias. Em apenas 15 dias, o grupo de Terapeutas Florais Voluntários de Petrópolis conseguiu atender 956 pessoas.
Nossa equipe atual, especialmente montada para a calamidade, conta com 21 terapeutas, subdivididos em grupos que dão conta das seguintes tarefas: assepsia dos vidros, preparação dos florais, atendimentos no Centro de Cidadania, atendimentos nos abrigos e residências que acolheram os desabrigados, atendimentos em outros municípios (Areal, São José do Vale do Rio Preto e, futuramente, Sumidouro). Estamos agora, a título de apoio, começando a fornecer os vidros de florais já preparados para Teresópolis, devido à escassez de terapeutas locais disponíveis para atuar na região (apenas dois terapeutas estão atuando na cidade). Em quinze dias, já foram preparados por nós cerca de 1.300 vidros de florais.
Recebemos doações de vidros, etiquetas, conservantes e essências, com a ajuda de uma verdadeira rede internacional que se montou em função dos acontecimentos.
Estamos prestando atendimento aos voluntários e cuidadores em geral (desde motoristas de retro-escavadeiras, passando pelo pessoal que trabalha resgatando corpos, médicos, enfermeiros, agentes de saúde, assistentes sociais, guardas municipais, oficiais da Aeronáutica e do Exército). Atendemos também as crianças e os adultos desabrigados e também cuidamos dos animais.
Para ilustrar, contei que outro dia, no Centro de Cidadania, uma oficial da Aeronáutica chegou fardada, perguntando de forma solene e ríspida quem era a terapeuta floral em atendimento e pediu que a acompanhasse (a coitada chegou a pensar que iria presa... rsrsrs). Alegou que a Major Rita queria vê-la. A terapeuta foi com ela à sala em que estava a Major Rita e muitas outras oficiais fardadas. A Major Rita se apresentou e disse que tomava florais e que queria que toda a sua tropa tomasse florais ! A terapeuta (aliviada...) atendeu a toda a tropa e forneceu os florais a todas as oficiais. Esse tipo de situação tem acontecido a todo momento. A toda hora somos procuradas por guardas municipais ou por oficiais militares dizendo que queriam "as tais gotinhas" porque seus colegas haviam dito que elas estavam fazendo verdadeiros milagres com eles.
Foi explicitado na apresentação que os terapeutas conhecem perfeitamente seu limite de atuação, sabendo discernir quando é necessário o encaminhamento das pessoas atendidas aos profissionais de outras áreas, como médicos, psicólogos e psiquiatras. Nosso trabalho corre em paralelo à atuação dos outros profissionais e não substitui outros atendimentos.
Foram mencionados os sintomas que normalmente aparecem nesse tipo de situação de catástrofe e foi explicado como a Terapia Floral pode atuar nesses casos. Foi também mencionado que, graças à atuação da Terapia Floral em Petrópolis, não houve nenhum caso de suicídio nem de tentativa de suicídio registrado durante esse período, ao contrário do que está acontecendo nos outros municípios. Não está também acontecendo em Petrópolis a Síndrome Pós-traumática, o que foi prontamente confirmado pela Coordenadora de Saúde Mental da Prefeitura de Petrópolis, em função do trabalho que está sendo realizado pelos terapeutas florais.
Durante a apresentação foi mencionado que muitas pessoas atendidas já estão saindo da fase do impacto e já estão pensando em reconstruir a vida.
Foi pontuado que esse trabalho todo está sendo feito de forma voluntária, a um custo ZERO para o Município, o Estado e a União, simplemente pela dedicação e disponibilidade dos terapeutas e pelo apoio da enorme rede de solidariedade e auxílio que se formou no Brasil e no mundo.
Finalmente, coloquei que o sucesso e o mérito do trabalho se deve ao desempenho incansável da EQUIPE COMO UM TODO, equipe essa em que todos atuam com o mesmo empenho, cada um fazendo a sua parte, revelando-se um verdadeiro trabalho de rede em que cada parte é igualmente importante e imprescindível.
Sentimos que a apresentação de nosso trabalho agradou e entusiasmou várias pessoas presentes mas, por outro lado,pareceu incomodar algumas outras pessoas, em função da explícita dificuldade de atuação dos órgãos governamentais pelas péssimas condições de que dispõe o poder público para agir, principalmente em Friburgo. A coordenadora de Saúde Mental desse município, antes de nossa apresentação, havia deixado claro o desaparelhamento total do município, que não conta com nenhuma viatura que possa transportar os profissionais da Psicologia para apoio ás vítimas. Enquanto o poder público tem dificuldades para começar a agir, um grupo de terapeutas voluntários, pelo simples amor à causa e por sua compaixão pelo ser humano, rapidamente se articula e realiza em apenas 15 dias um trabalho de qualidade e competente, atendendo a 958 pessoas. Realmente, devemos incomodar muito...
Encerramos nossa participação na reunião muito felizes, não só por estarmos podendo prestar um grande serviço às pessoas tão necessitadas de ajuda, mas também desejando de coração podermos servir de estímulo para que outros grupos se formem com esse mesmo ideal e sejam norteados pelos mesmos princípios que nos norteiam, principalmente o do amor incondicional.
Queremos aqui reafirmar o imenso valor do trabalho do Dr. Bach e da Terapia Floral como um
grande agente transformador de consciência e um belo instrumento que temos em mãos para minorar a dor e o sofrimento humano.
Queremos também agradecer à Coordenadora do Programa de Saúde Mental de Petrópolis, Maria Célia Machado, por acreditar em nosso trabalho e por nos abrir as portas e dar o espaço para podermos atuar e mostrar o quanto a Terapia Floral pode ajudar em situações como essa.
Essa não é uma vitória de nosso grupo, mas de toda a Terapia Floral e de todas as pessoas que formam essa linda REDE DE LUZ e que nos apoiam de todas as formas, próximas ou à distância. A todas essas pessoas, nossa mais profunda gratidão !
Com carinho, em nome de todo o grupo, em uníssono,
                                                                                                   Vera Gondim


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ficarei muito feliz de ler os seus comentários sobre o que eu escrevi